Arquivo do mês: julho 2011

Século XVIII

Século XVIII
Cachaça branca, muito forte, picante e com acentuado gosto de cana. Assim eram primeiras cachaças produzidas respeitando a mais pura tradição sucroalcooleiro. Será ?

Se depender do mais antigo engenho em funcionamento, assim era a bebida que se consumia no século XVIII. Por isso mesmo, é o nome do destilado produzido no Engenho Boa Vista, localizado na cidade de Coronel Xavier Chaves, próximo à cidade de Tirandentes.

Consta que teria funcionado na fazenda do Padre Domingos da Silva Xavier, irmão mais velho de Tiradentes.

Seis gerações separam os pioneiros produtores do atual proprietário, Sr. Rubens Chaves que a mais de 30 anos preserva os métodos tradicionais de produção artesanal imerso numa paisagem bucólica.

A século XVIII serve ainda de base para a produção da cachaça Santo Grau – Coronel Francisco Alves, já analisada aqui.

Tradicionalmente o destilado envelhecia em tanques de cimento revestidos de parafina antes de ser engarrafada. Por determinação do Ministério da Agricultura, o envelhecimento passou a ser feito em tanques de aço inox.

Esta garrafa degustada é do lote 3 da produção de 2007, de sabor mais forte, ácido e picante que aquela engarrafada em 2010 para a Santo Grau.

É uma purinha que merece ser degustada embalando a prosa de amigos.


Cor: branca
Viscosidade: alta
Aroma: levemente ácida
Sabor: picante, ácido e alcoólico
Madeira: não se aplica
Graduação: 40%
Apresentação: garrafas de 750 ml
Fone: +55 32 33571238

Dedo de prosa na cozinha

Polenta com frango

Numa noite de domingo estava eu conferindo meus e-mails quando me deparo com uma mensagem curta de um certo Felipe de um site chamado Mapa da Cachaça, elogiando o trabalho que desenvolvo no meu blog Marvada e me convidando a conhecer o trabalho dele.

Fui, vi e gostei como é impossível não gostar de algo feito com tanto capricho, qualidade e talento.

Na noite seguinte recebo outro e-mail de uma certa Gabriela comentando que visitou meu blog culinário Restô d’Ontê e me convidando para visitar um projeto que ela estava desenvolvendo denominado …. Mapa da Cachaça ?!?

Perálá, o mesmo site? Eles se conhecem e não tinham trocado informações sobre mim ou meus projetos? Santa coincidência!

Descubro que Felipe Jannuzzi e Gabriela Barreto são sócios, apaixonados por cachaça e encabeçam uma competente equipe na empreitada de valorizar a cachaça como patrimônio nacional.

Doce conspiração dos astros para reunir coisas boas.

O projeto Mapa da Cachaça é algo tão bom e está crescendo tão rápido que ao escrever estas palavras todos os que as leem certamente já o conhecem. Mas não posso deixar de citar esta estranha sucessão de eventos que me aproximou deles e que permitiu que timidamente eu pudesse contribuir e beber um pouco do seu sucesso.

Em 22 de julho tive uma receita de Polenta com frango e sua história particular publicada.

Foi uma sensação gratificante que espero poder repetir sem moderação.

Felicidades, sucesso e vida longa ao Mapa da Cachaça e a toda sua equipe.


Cana Bacana

Cana Bacana

Cana Bacana é uma cachaça “prá inglês beber“. Sem trocadilhos, esta saborosa e honesta aguardente nasce internacionalizada acompanhando o interesse pela nossa bebida do mercado de consumo estrangeiro.

O nome é descolado, o rótulo lembra as calçadas de copacabana e o sabor é delicado.

Duplamente destilada, os rigores da cachaça artesanal são suavizados e a bebida se torna um pouco “pasteurizada”. O sabor é então aveludado pelo repouso em tonéis de carvalho que a tornam suavemente amadeirada e levemente adocicada.

Produzida no litoral norte de Santa Catarina, na cidade de Garuva – SC, guarda as características das cachaças catarinenses, leves, fáceis e quase superficiais.

É cachaça facilmente degustável e que pode agradar paladares sensíveis, Brazil and beyond


Cor: amarelo claro
Viscosidade: média
Aroma: levemente amadeirado
Sabor: amadeirado, suavemente adocicado
Graduação: 40%
Apresentação: garrafa de 700 ml

http://www.multidrink.com.br/


Providência

Providência

Chego em casa, sexta-feira, naquela abstinência.
Dias de contas a pagar, problemas a tratar.
No planalto corrupção, na Europa depressão, no Oriente repressão.

Tanto problema sem solução !
É preciso se acalmar e uma solução encontrar.
É preciso tomar uma providência.

E assim começo a contar a experiência que é degustar esta cachaça que já foi a preferida do ex-presidente Juscelino Kubitschek.

Surpreende que seja uma cachaça tão leve e suavemente adocicada sendo branca.  Não registra que seja, mas o descanso em tonéis de umburana certamente contribui para a leveza de seu paladar.

Segredos de uma produção que remonta aos anos quarenta quando começou a ser produzida na cidade de Buenópolis – MG.

Um bom amigo mineiro me contou que de tão apreciada, seu estoque evapora, como que por encanto, toda vez que sua esposa organiza jantares entre a amigas.

Ele meneia a cabeça e argumenta que vai ter que tomar uma providência, se ainda sobrar cachaça.


Cor: branca
Viscosidade: alta
Aroma: adocicado
Sabor: cana-de-açucar, suavemente adocicado
Graduação: 47%
Apresentação: garrafas de 600 ml

wagnerdaprovidencia@hotmail.com
Fone: +55 3837561174


Curta o curta: Cachaça

 


Beiçuda

Beiçuda

Dia destes visito o Empório da Cachaça para me abastecer e me oferecem uma prova cega de uma nova cachaça que chegou por lá.

Branca, de aroma neutro. Dou uma beiçada e sinto o sabor pronunciado de cana. Cachaça suave que deixa uma bela coroa de lágrimas no copo.

Só então me apresentam a Beiçuda. Cachaça honesta comercializada em embalagem plástica.

Confesso que, pelo mesmo motivo que a loja relutou em colocar a bebida à venda eu não teria comprado e perderia a oportunidade de provar um produto de qualidade e bom preço.

Bidestilada e maturada em tonéis de aço inox na fazenda Felicidade – Distrito de Grota D´Água, cidade de Caetanópolis – MG, cidade próxima a Sete Lagoas, a Beiçuda é muito diferente das aguardentes populares que se encontra nas gôndolas de supermercado.

É cachaça para se degustar sem preconceito.

Em tempo, o Empório da Cachaça fica no Shopping da Lapa, na esquina das ruas Carlos Gomes com rua da Lapa (http://goo.gl/JAQ0M).


Cor: branca
Viscosidade: alta
Aroma: neutro
Sabor: cana-de-açucar, suavemente adocicado
Graduação: 42%
Apresentação: garrafas plástica de 500 ml e 920 ml

http://www.pedradelua.com.br
Fone: +55 31 3374 3150


%d blogueiros gostam disto: