Arquivo do mês: dezembro 2009

Maribondo

Muitas cachaças tem nomes curiosos, como essa Maribondo.

Mas o toque mais incomum fica por conta do reaproveitamento de vasilhames de outras bebidas e do rótulo de aspecto xerográfico.

Mas apesar da aparência amadora, é uma bebida de qualidade.

A cachaça é produzida em Guarabira no estado da Paraíba desde 1901, e orgulha-se de aproveitar apenas o coração da destilação na produção da bebida, que posteriormente repousa em tonéis de freijó para apurar o sabor.

No contra rótulo há um breve histórico da bebida e um educativo  exclarecimento sobre a sua produção.

Vai uma picada aí?

—————————————————

Cor: branca
Viscosidade: baixa
Aroma: alcoólico sutilmente amadeirado
Sabor: suave
Graduação: 40%
Apresentação: diversos tamanhos


Cachaça não é água não !

A marchinha de carnaval já procurava esclarecer ao público em geral o que é a cachaça.
Mas isso só foi definitivamente esclarecido em 2005.
Foi a partir da publicação da Instrução Normativa Nº 13, de 29 de junho de 2005 do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento que os padrões técnicos de qualidade e identidade foram definidos para a Cachaça e a Aguardente de Cana.
Segundo esse regulamento as bebidas são assim definidas:
  • Aguardente de Cana é a bebida com graduação alcoólica de 38% vol (trinta e oito por cento em volume) a 54% vol(cinqüenta e quatro por cento em volume) a 20ºC (vinte graus Celsius), obtida do destilado alcoólico simples de cana-deaçúcar ou pela destilação do mosto fermentado do caldo de cana-de-açúcar, podendo ser adicionada de açúcares até 6g/l (seis gramas por litro), expressos em sacarose.
  • Cachaça é a denominação típica e exclusiva da Aguardente de Cana produzida no Brasil, com graduação alcoólica de 38 % vol (trinta e oito por cento em volume) a 48% vol (quarenta e oito por cento em volume) a 20ºC (vinte graus Celsius), obtida pela destilação do mosto fermentado do caldo de cana-de-açúcar com características sensoriais peculiares, podendo ser adicionada de açúcares até 6g/l (seis gramas por litro), expressos em sacarose.
  • Destilado Alcoólico Simples de Cana-de-Açúcar, destinado à produção da Aguardente de Cana, é o produto obtido pelo processo de destilação simples ou por destilo-retificação parcial seletiva do mosto fermentado do caldo de cana-de-açúcar, com graduação alcoólica superior a 54% vol (cinqüenta e quatro por cento em volume) e inferior a 70% vol (setenta por cento em volume) a 20ºC (vinte graus Celsius).
Assim sendo, podemos dizer que toda cachaça é aguardente, mas nem toda aguardente é cachaça.
Ambas podem ainda receber outras denominações, segundo o tratamento que recebem:
  • Adoçada: É a bebida que contém açúcares em quantidade superior a 6g/l (seis gramas por litro) e inferior a 30g/l (trinta gramas por litro), expressos em sacarose.
  • Envelhecida: É a bebida que contém, no mínimo, 50% (cinqüenta por cento) de bebida envelhecida em recipiente de madeira apropriado, com capacidade máxima de 700 (setecentos) litros, por um período não inferior a 1 (um) ano.
  • Premium: É a bebida que contém 100% (cem por cento) da bebida envelhecida em recipiente de madeira apropriado, com capacidade máxima de 700 (setecentos) litros, por um período não inferior a 1 (um) ano.
  • Extra Premium: É a bebida envelhecida por um período não inferior a 3 (três) anos.
O regulamento completo você confere aqui:

Rapariga

Além de belas praias, o Ceará tem tradição em boas cachaças.

A alegria de descobrir novos sabores foi renovada com esta bebida destilada em alambiques artesanais,  produzida na Serra de Ibiapaba em Viçosa do Ceará.

A embalagem artesanal nos remete aos tempos em que a cachaça ainda era um produto rústico e pouco industrializado.

Nas primeiras provas estranhei o sabor amadeirado diferente de qualquer outro que já tivesse provado. Mas depois que o paladar se acostumou, foi fácil apreciar esta bebida de sabor exótico.

Cor: dourada
Viscosidade: média
Aroma: amadeirado leve
Sabor: moderado
Graduação: 38%
Apresentação: garrafas artesanais de diversos tamanhos

http://www.mamulengo.com.br


Matraga série prata

Cachaça bidestilada em alambiques de cobre, processada a partir do cultivo exclusivo de cana-de-açucar orgânica na cidade de Planalto – Sudoeste do Paraná.

Eu a conheci antes mesmo do início de sua comercialização, e devo a ela um considerável apuro no meu paladar.

É uma bebida extremamente cristalina, leve e de aroma suave. De paladar agradável,  é perfeita para elaborar drinques e coquetéis.

A maior parte da produção é exportada para a Europa, mas é possível encomendá-la diretamente com o fabricante.

Cor: branca
Viscosidade: média
Aroma: suave
Sabor: leve
Graduação: 41%
Apresentação: garrafa de  700ml

Fone/Fax (46) 3555-1440
alambique@matraga.com.br


Velha Porteira

Cachaça artesanal, de sabor forte e rústico. Indicada para quem gosta de viver perigosamente.

————————————————

Cor: branca
Viscosidade: baixa
Aroma: alcoólico marcante
Sabor: forte
Graduação: 38%
Apresentação: diversos tamanhos

(32) 3371-2642
Coronel Xavier Chaves – Minas Gerais


Natov’s

natov's

Um dos mais agradáveis prazeres da cachaça está ligado ao fato de que é uma bebida que se produz em todas as regiões do país. Isso lhe confere originalidade e gratas surpresas sempre que descobrimos pequenas marcas regionais.

A Natov’s é uma cachaça semi-artesanal produzida em pequena escala  na cidade de Nova Santa Rosa, região Oeste do Paraná.

Ela guarda as tradições das melhores cachaças do País, ou seja, produzida a partir de canavial próprio com seleção de bebida nas fases de destilação. Começou a ser produzida em escala individual para atender o consumo do proprietário e de seus amigos. A quantidade foi aumentando ao mesmo tempo que a experiência do produtor, sem perder o cuidado e a atenção nos detalhes.

Na versão dourada, possui um sabor levemente amadeirado e marcadamente alcólico, fácil de beber.

A versão natural é para quem aprecia cachaças mais rústicas.


Cor: branca ou dourada
Viscosidade: baixa
Aroma: alcoólico marcante
Sabor: moderado
Graduação: 40%
Apresentação: diversos tamanhos

(45) 3253-1159
Nova Santa Rosa – Paraná


Como degustar uma cachaça

Degustar uma cachaça não difere do método de degustar qualquer outra bebida.

É preciso antes de mais nada respeito pelo líquido. Não reverência, mas respeito pois trata-se de um produto que consumido com moderação pode oferecer prazer, mas em excesso (e o limite é algo muito pessoal) pode causar severos danos à saúde.

Mesmo sem ser profissional e sem dispor de nenhuma habilidade especial, é possível observar algumas pequenos passos que enriquecem a experiência.

Vamos a eles:

  • A degustação começa pela garrafa, examine o rótulo e o vasilhame. A boa apresentação é indício da qualidade da bebida.
  • Procure por resíduos na garrafa. Uma bebida sem resíduos indica uma bebida bem manipulada e eventualmente filtrada. Resíduos também podem ser indício de adulteração.
  • A cachaça pode ser branca (natural) ou dourada. O dourado tanto pode ser resultado do envelhecimento em tonéis de madeira quanto pelo uso de aditivos (melado ou caramelo pois corantes são proibidos). Boas cachaças podem conter aditivos, mas ocultar essa informação é um desrespeito ao consumidor.
  • Alguns degustadores tem o hábito de agitar com vigor a garrafa e observar a espuma que se forma na parte superior e que indica qualidade quando se desfaz rapidamente. Apontam também o volume de pequenas bolhas que se formam indicando a qualidade da destilação (mas eu confesso que nunca consegui ver a diferença).
  • Para degustar, recomenda-se o mesmo cálice usado para degustação de conhaque. Também pode ser utilizado copos longshot. O importante é que sejam transparentes para permitir avaliar a coloração da bebida.
  • Antes de beber desfrute o aroma da bebida. De longe perceba se o aroma que sobressai é o de perfume ou o do álcool. De perto, inspire profundamente o bouquet e perceba se ele é agradável ou provoca alguma irritação.
  • O primeiro gole deve ser pequeno. Deixe a bebida passear pela boca. Nossa língua possui papilas especializadas em diferenciar o doce, o amargo, o ácido e o salgado. Agindo assim você poderá determinar qual o sabor predominante da bebida.
  • Depois do primeiro gole, observe o copo. Note se a bebida escorre lentamente, como um óleo que se fixa na parte interna do copo. Quanto mais viscoso o líquido mais encorpada é a bebida.
  • Algumas cachaças “queimam”. Isso não é decorrente de maior ou menor gradação alcólica, mas sim da qualidade da destilação. De modo geral, quanto mais quente, menor a qualidade. Mas não confunda: cachaças muito doces (geralmente com adição de melado) queimam menos e nem por isso são de qualidade superior.
  • Se estiver degustando várias bebidas, atenha-se ao primeiro gole e intercale as provas com algum alimento de sabor pouco pronunciado.

Finalmente e não menos importante, cerque-se de boa companhia. O melhor da degustação é fazê-la acompanhada de dois dedos de boa prosa.


%d blogueiros gostam disto: